XIX Frankfurt, Koln e Bonn

fuga-da-galinha

FRANKFURT

Como eu ficaria somente dois dias em Frankfurt, optei por fazer um city tour no ônibus hop on hop off.

 

Conheci as principais atrações turísticas e o que mais me encantou, adivinhem?

 

O Deutsches Filmuseum, ou o Museu do Cinema Alemão. Lá se encontram vários artefatos usados na indústria cinematográfica desde a época dos Lumiére, das pesadíssimas câmeras de filmar, até a máscara do Darth Vader…

Há uma tenda em que projetam vários filmes da década do cinema mudo e dos desenhos animados mais recentes, tal e qual os feitos de massinha de modelar, como o filme “A fuga das galinhas”.

 

 

KOLN

Koln foi a cidade em que meus antepassados alemães vieram. Meu tatatatataravô, após a Revolução Industrial, partiu para o Brasil para tentar uma vida nova, longe da pobreza e da falta de emprego de sua cidade natal. Encontrou no sul do Brasil, mais especificamente na Colônia de São Pedro, hoje Dom Pedro de Alcântara, um lugar para morar e fincar raízes. Milhares de alemães, provindos de Koln, ou Colônia, em 1824 tiveram esse mesmo destino.

Koln, ou Colônia, foi um nome dado em homenagem à Agripina, mulher do imperador romano Claudio – ela se chamava Colonia de Agripina. Uma cidade margeada pelo rio Reno, reconstruída depois da Segunda Guerra Mundial: principalmente as pontes que ligam um lado a outro da cidade, foram destruídas pelos bombardeios.

Ao lado do Koln Hauptbanhof tem uma igreja, a Cologne Catedral. Na parede ao lado da entrada, há diversas fotos da época em que a cidade foi destruída. É impressionante ver o poder de destruição que uma guerra pode proporcionar.

Fora esse triste episódio, é uma cidade muito organizada e aprazível. Gostei muito de Colônia, parece um balneário. Contornando o rio Reno, tem uma praça com vários restaurantes e mesinhas ao ar livre para saborear um sorvete ou mesmo fazer um happy hour. No rio Reno, inúmeras embarcações, até de luxuosos navios, ancoram por lá.

O museu etnográfico é um lugar que vale a visita. Encontram-se várias coleções de diversos povos da terra. Achei lindíssima a secção da Índia, as estátuas de Ganesha, de Buda.

 

O café dentro do Museu do Chocolate é imperdível. No menu, há várias opções com a delícia mais maravilhosa de todos os tempos: o chocolate. Eu experimentei um petit gateau com sorvete de baunilha. Nossa senhora da dieta, desculpe-me a heresia! Sensacional!

Perto de Koln, existe a cidade de Bonn, onde Beethoven nasceu. Fui lá conhecer o museu do Beethoven, que era uma antiga residência da sua família. O museu é interessante, encontram-se lá vários cravos (instrumento antecessor ao piano), utilizados pelo mestre da música. Na praça central, há uma estátua do compositor.

Perto de Koln, há inúmeras cidades que dá para conhecer por trem, como a Dusseldorf e algumas cidades da Holanda: Amsterdam é apenas 2 horas e meia de trem de lá. Se programar direitinho, dá para fazer várias cidades numa semana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s